quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

PT vai reforçar cobertura TDT em sedes de concelho

A Portugal Telecom informou que vai reforçar a cobertura do sinal de TDT nas sedes de concelho com menor cobertura, sempre que haja viabilidade técnica e que a complexidade do sistema o permita. Segundo a mesma, este reforço será gradual e de acordo com o calendário do switch-off, passando a cobertura dos cerca de 90% actuais (segundo a mesma) para 93/94%. Tal como o blogue TDT em Portugal informou, ainda no final da semana passada entrou em funcionamento um emissor TDT na cidade de Ourique.

Como habitual, a operadora deixa os consumidores em “suspense” pois não divulga os locais onde esse reforço irá ocorrer. Isto é mau (como já critiquei em diversas ocasiões) porque os cidadãos arriscam-se a gastar mais dinheiro do que o necessário. Nalguns casos, com o reforço da cobertura poderá já não ser necessário trocar a antena ou nos casos mais complicados pode já não ser necessário recorrer à recepção via satélite (compra do kit TDT Complementar). Os portugueses que tantas vezes são criticados por deixarem tudo para a última hora, infelizmente, no caso da TDT, têm muitas razões para adiarem a migração. Muitas famílias poderão já ter gasto dinheiro desnecessariamente. E não se divulgando as localidades onde o reforço de sinal irá ter lugar, poderá muito bem acontecer que com este anúncio muitas pessoas adiem ainda mais a migração para a TDT.

Está pois a verificar-se a situação para a qual alertei em Junho de 2010:

«Tal como a Anacom reconhece, Portugal vai ter um dos menores períodos de simulcast. Este período, em que as emissões digitais e analógicas coexistem, é fundamental para dar tempo, não só para os telespectadores prepararem as suas instalações para o sinal TDT, mas também para o operador de rede proceder a correcções na cobertura! Por muitas medições no terreno que sejam realizadas, só após uma adesão significativa da população serão detectados muitos problemas na recepção da televisão digital terrestre! E acreditem, em muitos locais do país vão existir problemas de cobertura que será necessário solucionar. Se não há ninguém a captar o sinal, os problemas, naturalmente, passam despercebidos.»

Só agora, a poucas semanas ou meses dos desligamentos e com uma adesão minimamente significativa da população, muitas das dificuldades de recepção do sinal estão a ser detectadas. Dificuldades essas que levam tempo a solucionar. Esta situação era previsível, pois em Portugal e ao contrário de praticamente todos os países, a TDT está a ser imposta à população que, naturalmente, adiou o mais possível a migração o que vai tornar os desligamentos tudo menos “tranquilos”.

Recordo mais uma vez que a PT garantiu em diversas ocasiões que estaria em condições de antecipar o switch-off em 12 meses (para Janeiro de 2011) e que Portugal seria exemplar no switch-off. As palavras são do CEO da PT:

«em 1 de Janeiro de 2011 Portugal estará na linha da frente de tudo o que de melhor vai acontecer na Europa»
«o nosso país vai ser exemplar no switch-off e uma referência a nível europeu»

A realidade, como sabemos, é bem diferente! A novela da TDT à portuguesa continua…

Posts relacionados:
Anacom aprova plano de cessação das emissões analógicas terrestres
TDT: falta de cobertura mobiliza freguesias do norte
TDT via satélite poderá custar mais de 200€
PRIMEIRO APAGÃO ANALÓGICO É HOJE - para que tudo fique na mesma…
APAGÃO ADIADO EM VÁRIOS PONTOS DO PAÍS!
TDT: Emissores e Mapas de cobertura
TDT: problemas de recepção

9 comentários:

Marco Rodrigues disse...

Eu acredito que a PT vá é vender MEO, não reforçar a cobertura TDT.

Yagi disse...

Claro, o que a PT quer é vender MEO. Quanto menos cobertura existir melhor para o negócio do MEO (e ZON). As promessas da PT devem merecer as maiores reservas. Só irá reforçar a cobertura se for muito pressionada.

Como comentei no post anterior:

O verdadeiro negócio para a PT (em televisão) não está na "venda" de repetidores, está na venda de televisão por subscrição (MEO).

Tomemos como exemplo Monchique, onde o repetidor instalado na semana passada serve 3000 habitantes. Serão possivelmente 1000 famílias. Se não houve-se repetidor provavelmente uns 20% das famílias acabaria por aderir ao MEO. Seriam 200 adesões ao MEO. Considerando o pacote base (aprox. 14 €), a PT iria facturar 2800€/mês. Ao fim de apenas um ano já seria um valor superior ao do repetidor. Isto sem considerar as margens de lucro, porque provavelmente a margem de lucro na venda do MEO é superior à da "venda" dos repetidores. - 24 de Janeiro de 2012 11:44

Anónimo disse...

Yagi, por acaso não concordo na resistência da PT. Concordo sim que a venda de serviços Meo é o grande negocio.

Mas a grande oportunidade é também o momento que antecede o switch off. Um ou dois dias antes do switch off, já o marketing agressivo passou e quem tinha de aderir ao Meo aderiu. Por isso, casos como Monchique vão-se repetir, a PT quer é fazer valer o pânico do switch off para ganhar adesões ao Meo mas após isso, não há grande interesse em manter a má cobertura

Anónimo disse...

yagi, não sei se viste os comentários do Marcelo Rebelo de Sousa ontem, na TVI, mas a parte em que ele fala da TDT merecia aqui um post.

Yagi disse...

Sim, ouvi os comentários de Marcelo Rebelo de Sousa na TVI e concordo com a observação. Mas a afirmação que os 10% da população que não terá cobertura (pressuponho que estaria a referir-se a cobertura terrestre) são os idosos, não é correcta. Apesar de ser verdade que irá afectar sobretudo as populações do interior (mais idosas, isoladas e carenciadas).

Mas o problema da mudança para a TDT vai afectar sobretudo os idosos mais carenciados de TODO o país, não só os que têm que recorrer ao satélite! Em Lisboa e no Porto a cobertura terrestre é muito melhor que no resto do país mas muitos idosos vão ficar sem televisão não por falta de cobertura mas por falta de dinheiro e de ajuda!

Por isso já em ocasiões anteriores escrevi que as poucas reclamações que a ANACOM diz ter recebido após os apagões não são um bom indicador. Muitas pessoas ficam sem televisão e não ligam para a ANACOM, porque sabem o que aconteceu e o que têm que fazer, não têm é dinheiro para fazer a mudança para a TDT!

É evidente que os idosos e os mais carenciados (apesar dos apoios) serão os mais afectados pela mudança para a TDT. Já referi essa situação no blogue, já foi abordado por alguns deputados e têm passado reportagens na TV com vários casos. O poder local, assistência social, ONG's, cidadãos, etc, podem dar um contributo muito importante para identificar e solucionar essas situações.

Infelizmente o nosso Governo "democrata-cristão" parece estar insensível ao problema.

Marco disse...

Estou um pouco confuso. Alguém poderia-me explicar o que se passa na RTPMadeira.
No RTPplay onde deveria estar a emitir a emissão da Madeira, está a RTPInformação. Isto é alguma espécie de teste para o futuro, ou alguma coisa em definitivo.

Yagi disse...

Agora parece estar normal. A emissão em directo da RTP Informação já foi retirada à algum tempo. Vai uma grande confusão e desorganização na plataforma RTP Play e infelizmente metade do tempo as emissões não estão disponíveis devido a questões de direitos. Assim a utilidade da RTP Play é muito limitada. Se se deixassem de tretas e colocassem os canais na TDT como praticamente já todos reclamam é que faziam algo de realmente útil.

Marco disse...

Yagi, não me fiz entender. Estava a referir-me a isto.

http://imageshack.us/photo/my-images/542/rtpmadeira.jpg/

Será que na MADEIRA esta a passar esta emissão.

ra20 disse...

Para o Marco


Como as emissões da RTP Madeira foram reduzidas 4 horas de emissão diária resolveram ocupar o resto do tempo com a emissão da RTP Informação.