segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Coberturas micro – Facturas macro: autarquias suportam o custo da TDT!

Como tem sido divulgado no blogue TDT em Portugal, muitas povoações correm o risco de ficar de fora da Televisão Digital Terrestre. Isto porque o plano técnico apresentado pela PT e aprovado pela ANACOM apresenta uma meta de cobertura terrestre relativamente baixa: 90% da população no final da implementação da rede. Este valor é inferior á cobertura dos canais analógicos e compara mal com a cobertura da rede de TDT espanhola que atinge os 98,5% e chega mesmo a cobrir vastas zonas do território português.

Para os restantes 10% da população resta a opção satélite (TDT Complementar) que apresenta limitações técnicas e que na maioria dos casos fica bastante mais cara para as populações, contrariando o que havia ficado estabelecido no título que autoriza a PT e emitir a TDT (Artigo 9 nº2 do direito de utilização de frequências ICP-ANACOM Nº 6/2008). Diga-se de passagem que recebendo os canais por satélite, já não estamos a falar de televisão digital terrestre, pois o sinal para além de não ser recebido por via terrestre, é diferente do sinal da TDT.

Por isso, desde há largos meses alguns autarcas vêm reclamando da PT e da ANACOM a instalação de mais emissores ou retransmissores (Gap-Fillers) a fim de serem eliminadas zonas sombra do sinal TDT. As reuniões têm-se repetido, mas na maioria dos casos não têm dado os resultados pretendidos pois a PT não está disposta a suportar o acréscimo de custos relativamente ao que ficou estabelecido no concurso da TDT. Recentemente chegou ao conhecimento público* que a PT estaria a reclamar 30000 Euros para cada Gap-Filler a instalar. Será alegadamente o caso de uma proposta apresentada à Câmara Municipal de Vouzela, em que para a instalação de três micro-coberturas em povoações do concelho, seriam cobrados 90 mil euros.

No final da semana passada, a poucos dias do “apagão” analógico do emissor da Fóia (que ocorreu hoje), chegou a informação que a PT havia instalado um emissor TDT na encosta da Picota, onde já existem retransmissores de televisão analógica, o qual terá permitido retirar cerca de 3000 habitantes de Monchique da zona de sombra. Mas de acordo com reportagens, outros habitantes ficaram mesmo sem televisão, como foi o caso de Alferce, também em Monchique. Outras localidades têm optado por soluções tecnicamente menos sofisticadas e mais baratas como foi o caso de São Martinho de Angueira em Miranda do Douro, que instalou um micro-repetidor por apenas 3800 Euros. É importante referir que a instalação deste tipo de equipamentos requer autorização prévia da ANACOM. No entanto a mesma (aparentemente) tem fechado os olhos pois há vários anos que existem retransmissores analógicos instalados em vários pontos do país que não constam da lista oficial. A instalação de emissores ou retransmissores sem a apresentação prévia de um plano técnico e validação técnica pode vir a criar problemas de recepção noutras zonas.

A razão para a inferior cobertura do sinal da TDT não é pois técnica, é económica. Vários sites onde actualmente é emitida televisão analógica poderiam perfeitamente passar a emitir a TDT. Não o fazendo está a transferir-se para as populações o custo da mudança tecnológica. Mas outra questão se poderá colocar. Se não é do conhecimento público o plano técnico apresentado pela PTC, como saber se algumas zonas de sombra não são causadas por deficiente planeamento ou execução? Teremos que confiar na ANACOM?   

Sendo a PT uma empresa em que o Estado está representado e tem direitos especiais, não deveria ser o próprio Estado a pressionar a PT a fim de aumentar o nível de cobertura terrestre da TDT? Porque não é destinada parte da verba arrecadada com os leilões de frequências para custear o melhoramento da rede? Onde está a sensibilidade social do Governo?

*Intervenção na AR do deputado Bruno Dias, do PCP em 5/01/2012.


Posts relacionados:
TDT: falta de cobertura mobiliza freguesias do norte
TDT via satélite poderá custar mais de 200€
PRIMEIRO APAGÃO ANALÓGICO É HOJE - para que tudo fique na mesma…
APAGÃO ADIADO EM VÁRIOS PONTOS DO PAÍS!
TDT: problemas de recepção

10 comentários:

Helder disse...

Yagi,

Estive este fim-de-semana em Paredes de Coura para tentar alterar uma instalação para tdt e não existe ponta de sinal tdt, a instalação era numa habitação situada no Monte da Pena a cerca de 400M de altitude na encosta virada a sul e nada nem vindo de Arcos de Valdevez nem Ponte de Lima que seriam os mais favoráveis mas estão tapados por serras de altitudes superiores.
Aliás em toda a vila não existe sinal de tdt sendo para já a única solução o satélite. Actualmente recebem o sinal analógico via retransmissor do Monte da Pena(Paredes de Coura) ou através do emissor do Muro, ora inicialmente o retransmissor do Monte da Pena era daqueles que não ia ser alterado para tdt mas aproveito para deixar a informação a todos os residentes naquela zona que o retransmissor do Monte da Pena a partir da 1ªquinzena de Março vai começar a emitir também o sinal da tdt.
Alem disso também tive conhecimento que na zona os kit´s dth para a tdt são vendidos a 110€ o qual já alertei com aqueles que contactei que o dito kit tinha uma comparticipação onde ficaria entre 45 a 50€ e que os mesmos deveriam ser solicitados numa loja PT ou agente.

Anónimo disse...

Diz muito bem caro amigo...

Faltou dizer (e muita gente não sabe, inclusive jornalismo) que com o desligamento do analógico na foia, grande parte do concelho de vila do bispo, ficou às "nuvens".

Por exemplo, Raposeira já tinha problemas com o analógico depois que instalaram uns moinhos eolicos e nada foi resolvido pois afirmavam que com a chegada da TDT tudo se resolvia e resolveu-se. Toca todo o mundo a mudar para a parabolica e o "people" a pagar altas quantias, idosos com muito pouco rendimento.

Posso lhe dizer que Raposeira, Hortas do Tabual, Figueira, algumas zonas de vila do Bispo e algumas zonas de Sagres não conseguem ter o sinal TDT.

Nas minhas contas, suponho que representa um numero +/- de 2000 pessoas...

Hoje e durante alguns dias até "desistirem" da convicção de gastar mais dinheiro, o pessoal vai ficar a ouvir radio...

Triste mas é verdade e o Presidente da Câmara Municipal de Vila do Bispo, Sr. Adelino Soares parece que nada faz ou fez...

Miguel disse...

A ideia que começa a transparecer de todo este processo é que os 10 ou 13% da população que iria ficar de fora da cobertura terrestre foi uma "benesse" que a ANACOM deu à PT para poder recuperar algum do investimento feito na implantação da rede, com a venda de repetidores às autarquias das zonas sombra porque, como estamos a ver agora, era fácil e exequível fazer uma cobertura inicial a 100%. Isto também vem explicar a enorme "resistência" que a PT tem mostrado em vender os receptores para a TDT DTH: é que não dá tanto lucro como a cobertura micro.

Yagi disse...

O verdadeiro negócio para a PT (em televisão) não está na "venda" de repetidores, está na venda de televisão por subscrição (MEO).

Tomemos como exemplo Monchique, onde o repetidor instalado na semana passada serve 3000 habitantes. Serão possivelmente 1000 famílias. Se não houve-se repetidor provavelmente uns 20% das famílias acabaria por aderir ao MEO. Seriam 200 adesões ao MEO. Considerando o pacote base (aprox. 14 €), a PT iria facturar 2800€/mês. Ao fim de apenas um ano já seria um valor superior ao do repetidor. Isto sem considerar as margens de lucro, porque provavelmente a margem de lucro na venda do MEO é superior à da "venda" dos repetidores.

ra20 disse...

Aqui está mais um exemplo de uma Junta de Freguesia que teve de resolver o problema com o dinheiro dos contribuintes pois a PT e a Anacom não assumem as suas responsabilidades:

http://www.radiogeice.com/geicefm/index.php/noticias/4588-tdt-junta-de-freguesia-de-orbacem-resolve-por-conta-propria-o-problema-da-falta-de-sinal-de-televisao

Miguel disse...

Sim, na MEO é que eles ganham algum mas eu estava a referir-me apenas à parte que diz respeito às "obrigações" da PT em relação à TDT.

Anónimo disse...

Existe um erro neste artigo.
A PT já não tem direitos especiais do estado.
A golden-Share que o estado possuía acabou por obrigação da Troika há já alguns meses.

Yagi disse...

No post não refere a golden share. As golden share de facto acabaram em Julho, mas a influência do Estado português na PT não acabou! O Estado continua no capital da PT através da CGD! Além disso, este processo da TDT tem já vários anos, tempo em que o Estado pode exercer a sua influência a favor do interesse dos cidadãos e (aparentemente) não o fez...

Anónimo disse...

Possuo uma casa na localidade de Hortas do Tabual, municipio de Vila do Bispo, Algarve. Acontece que quando foi do apagão (FOIA) eu via televisão (TDT), passados meses deixei de ter televisão. O sinal vem, vai, desaparece chegam a ser horas. As vezes vê-se aos bocados.
Comprei novo equipamento, nova antena, mais moderna (antes tinha "espinha de bacalhau"), cabos etc.
Consultando o site da tdet o mapa diz que q minha casa tem cobertura. Então poque não vejo?????
Na mesma localidade há pessoas que veem bem e algumas casas ao lado, mesmo com novo material nada de sinal.
Muitas pessoas depois de gastarem centenas de uros em novos equipamentos tiveram que se voltar, gastando mais dinheiro,para o sistema por satelite, mas o mais estranho é o prato da parabólica dizer "MEO", Porquê??????
Estranho e que dentro da cidade de Lagos há 2 retransmissores com potência superior à FOIA.
Estranho é captarmos a TDT Marroquina e não conseguirmos ver a nossa a 3 dezenas de Km . Marrocos fica 300 a 400km. Esta é a triste realidade. Mais me espanta é Sagres uma zona plana sem obstaculos e ha pessoas a me dizerem que tem muitas vezes falha de sinal. ESTRANHOOOOOOOOOO.
Moreno

Yagi disse...

«o mais estranho é o prato da parabólica dizer "MEO"» - Não é nada estranho! A TDT Complementar é um pacote especial do MEO. A TDT no seu site oficial quase sempre fez referencia ao MEO, como chamei à atenção aqui no blogue. A parabólica ter MEO escrito é mais uma forma de fazer publicidade ao MEO, que é o que realmente se pretende promover, não a TDT Complementar. Os problemas de recepção nessa zona poderão dever-se a fenómenos de propagação (que são frequentes e muito intensos nessa zona), conjugados com deficiências na rede TDT. Teoricamente deveria receber o emissor da Foia sem problemas. Os emissores de Lagos destinam-se a cobertura local. Receber a TDT Marroquina é perfeitamente normal devido a utilizar potências superiores e aos fenómenos de propagação já referidos.