terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

TDT: ANACOM nega evidências

Os leitores mais atentos saberão que tenho criticado as televisões pela ausência quase total de informação relacionada com a televisão digital terrestre, apesar de não ter faltado matéria de interesse, como poderão verificar consultando o histórico de posts do blogue TDT em Portugal. Apesar de serem as principais interessadas que o processo de adesão à TDT decorra da melhor forma, as poucas notícias ou reportagens já emitidas têm sido curtas, pouco esclarecedoras e quase sempre com alguma informação errada pelo meio. Ontem a SIC Notícias destacou a TDT no seu programa Falar Global, onde entrevistou dois responsáveis da ANACOM, entidade intimamente ligada à implantação da televisão digital terrestre no nosso país.

Na referida reportagem os responsáveis da ANACOM afirmaram que apenas cidadãos a receber o rendimento social de inserção, reformados e pensionistas com rendimentos inferiores a 500 Euros ou cidadãos com grau de deficiência superior a 60% terão direito a comparticipação parcial do custo do equipamento (as instituições de comprovada valia social parecem ter sido esquecidas). Esta comparticipação será atribuída após o envio da respectiva factura de aquisição e de documentos comprovativos da sua situação para um endereço postal a divulgar. Segundo a ANACOM, após o recebimento da comparticipação, o custo final do equipamento ficará entre 15 a 20 Euros.

Infelizmente, no essencial, e excluindo o paradoxo do tema principal do programa ser a TDT e do programa ser emitido apenas num canal codificado (logo em principio não acessível aos potenciais interesssados na TDT), o que poderia ter sido uma oportunidade para obter respostas às questões mais pertinentes, foi na minha opinião, pouco mais do que tempo de antena concedido à ANACOM para mais uma vez negar as evidências e distorcer a realidade.

Na entrevista um responsável da ANACOM afirmou que a cobertura terrestre da TDT ficou completa no final de 2010! Ora, como todos podem comprovar e já foi oportunamente noticiado pelo blog TDT em Portugal, no site oficial da TDT, a indicação da meta de cobertura de muitas localidades, que apontava para 31/12/2010 (data fixada como limite para a cobertura total da população), foi no final do ano substituída pela informação: cobertura em actualização! Ainda hoje 22/02/2011, também no site oficial, a lista de emissores com data de 31/12/2010 não está ainda completa, do total de 180 emissores adiantados pela PTC no inicio da implantação da rede, apenas 153 se encontram listados. Situação idêntica se verifica no site da ANACOM. Aí, apenas 152 emissores estão listados e com data de actualização já de 16-02-2011! Mas, apesar disso, o responsável da ANACOM afirmou que: «instalação da rede, coberturas, está tudo montado», «as obrigações de cobertura da totalidade do território…foi concluído até ao final do ano passado»!

Também relativamente aos receptores TDT (vulgo caixas adaptadoras), necessárias para tornar a esmagadora maioria dos televisores compatível com a TDT portuguesa, a informação da ANACOM é enganadora. A ANACOM refere um equipamento de baixo custo (30-35 Euros) e que esteve disponível no mercado durante um curto período de tempo. Segundo a avaliação da própria DECO (parceira da ANACOM através de protocolo de colaboração), a compra desse equipamento não é aconselhada, para além de se informar que está em período final de comercialização. Eu próprio investiguei esse receptor quando surgiu no mercado (entretanto já fora de comercialização) e cheguei à conclusão que o mesmo não oferecia garantias de suporte técnico (essencial caso seja necessário actualizar ou corrigir falhas no equipamento), um parâmetro que considero fundamental, mas aparentemente negligenciado quer pela DECO quer pela ANACOM. Actualmente, o equipamento mais acessível à venda (de gama baixa) custa aproximadamente 50 Euros. Utilizando como referência os modelos referidos nos testes da DECO (testes que me suscitam algumas reservas), o preço médio dos modelos recomendáveis (boa qualidade) é de aproximadamente 79 Euros, ou seja mais do dobro do equipamento referido.

É lamentável que os entrevistadores não confrontem os responsáveis com estas e outras contradições, aceitando respostas tão facilmente refutáveis. Por exemplo, porque não se questionou também sobre o que sucedeu ao processo de certificação de televisores e set-top-box’s? Terá sido deficiente preparação dos entrevistadores ou condição prévia para obter a “colaboração” da ANACOM?

Este tipo de “informação” parece-me uma tentativa desesperada da ANACOM de mascarar a realidade. Mas qualquer cidadão interessado e minimamente inteligente pode facilmente comprovar quem fala verdade. Basta pesquisar na Web e procurar nas grandes superfícies e no comércio especializado.

Infelizmente, a prometida campanha de informação à população tarda, mas a máquina de desinformação já faz horas extra!

Chamo a atenção para o facto de existirem no mercado muitos equipamentos que exibem a sigla MPEG-4, mas que são apenas capazes da leitura de ficheiros multimédia nesse formato, não permitindo a recepção da TDT portuguesa. Para que o equipamento seja apto a receber a TDT portuguesa deverá ser capaz de “descodificar” o sinal de antena emitido em MPEG-4 (ou H.264).

O video do programa Falar Global da SIC Notícias está disponível aqui.

Posts relacionados:
PTC falha meta de cobertura da TDT
Televisores: menos de 5% estão preparados para a TDT
TDT: Preço alto dos adaptadores dificulta transição digital
Símbolo de compatibilidade com a TDT portuguesa
TDT portuguesa - Que futuro?
TDT: falta de informação facilita burlas
TDT: primeiros desligamentos adiados
TDT é recebida por menos de 2% dos portugueses!

10 comentários:

Netshark disse...

Bom, com já tive a oportunidade de referir anteriormente neste blog, tenho um descodificador USB h264 compativel. Foi testado em cerca de 10 locais entre Espinho, Vila Nova de Gaia, Porto e Melgaço.

Apenas em Melgaço e em Gaia, proximo do transmissor do Monte da Virgem, obtive sinal.
Continuo a achar incrivel que a pt afirme que os locais que testei estão sob plena cobertura. É propaganda para agradar o Ministerio da Ciencia e tecnologia?

Quanto aos factos em questão que relatas, parece-me haver uma estrategia clara para empurrar os consumidores ou para novos meos, ou para um negociata como tantas a que o estado nos habituou, para ganhar dinheiro á custa do contribuinte, sem ter que cobrar impostos. Desta vez vai-se chamar qualquer coisa como "taxa de descodificador".

Daqui a um ano, vai ser uma barraca monumental.

Miguel disse...

Por acaso calhou estar num sítio onde estava a dar esse programa. Meteu-me nojo estar a ouvir falar pessoas que não alcançam mais do que as paredes do escritório onde passam os dias a fazer coisas para lixar a vida ao coitado do Zé Povinho. Aqueles deslumbrados da tecnologia parece que vivem noutro mundo.
Só 1 em cada 10 portugueses é que desconhece a TDT? Felizmente alguém lá na SIC Notícias percebeu este absurdo e em vez disso colocou em rodapé que 90% dos portugueses desconhece a TDT. É talvez um valor mais próximo da realidade.
Mas este programa teve o seu mérito: finalmente ficámos com a certeza que os 13% da população que ficou fora da cobertura vai ser servida por satélite. Só que esta solução levanta várias questões: as pessoas dessas zonas não poderão dar uso às capacidades de recepção digital dos seus televisores porque vão depender dum receptor de satélite por cada televisão para ver os 4 canais, com os custos e as limitações que todos conhecemos.
Vamos ver no que isto vai dar.

songohan disse...

Isto é sempre a mesma coisa... falarem das coisas é fácil, depois no terreno não é nada do que se ouviu.
Os receptores são caros e existem em muito poucos locais. (denver que é vendido por uma grande cadeia de hipermercados é uma versão que já é considerada antiga pelo resto da europa)
Quem tem net ainda pode procurar noutros lados e obter outros descodificadores.
Eu tenho um Sigmatek que adquiri na net e o único contra que lhe encontrei é o suporte de legendas de ficheiros multimédia só servir em pleno para televisões 4:3. Nas 16:9 as legendas acabam fora do ecrân.
De resto funciona em pleno.

Gostava era que o jornalista tivesse perguntado ao dirigente se o dito valor que pode ser reembolsado também incluí quem já adquiriu o aparelho antes do ínicio de 2011... é que pelo que percebi ele só se está a referir ao tempo após o ínicio do switch off.
Seguindo os valores praticados pela PT, isso seria um reembolso de 70 euros por cada aparelho? Não acredito nisso.

Yagi disse...

«finalmente ficámos com a certeza que os 13% da população que ficou fora da cobertura vai ser servida por satélite»

A cobertura por satélite sempre esteve prevista. Faz parte do título habilitante (licença Mux A). Tenho informado a esse respeito em várias ocasiões.

Yagi disse...

ATENÇÃO:
Como se informa no post, o subsídio à compras dos equipamentos será só para a população mais desfavorecida!

Para já, apenas isso está estabelecido, e há já muito tempo.

Cabrito do Monte disse...

Acho incrível o homem da Deco dar como 3ª opção a adesão a serviços pagos! Isso é o que a PT, Zon e afins querem!
Afinal vou ser obrigado a ter Parabólica!? Segundo eles sou um dos 13% a não ter cobertura por antena, quer dizer, tenho 3 televisões e 2 computadores com placas de tv, tenho de por 5 antenas parabólicas ou adiro ao Meo, boa chantagem! Assim que desligarem o transmissor da Lousã vou exigir o fim da minha taxa de audiovisuais visto que vou ficar privado do serviço público!

Yagi, excelente Blog! Parabéns!

Yagi disse...

Cabrito do Monte,
Basta instalar uma parabólica por habitação. Mas será necessário um receptor para cada televisor. Convém testar a recepção do sinal TDT, porque há locais em que indicava cobertura e não há, e locais em que indicava ainda não haver e havia. Convém sempre testar o sinal, excepto nalgumas situações óbvias.

O Parafuse disse...

Até aqui tudo bem!!!... agora ,onde e quando e a que preço se adquire os receptores satélite? Ou só terão disponíveis quando já não haver sinal analógico?

Cabrito do Monte disse...

Caro Yagi,
Já há mais de um ano que me enganaram dizendo que a minha terra, Mealhada, já tinha cobertura TDT e inclusivé comprei o respectivo descodificador, usb, fiz as ligações correctas, desliguei o amplificador de sinal, apontei a antena para Coimbra e nada, inclusivé pensei o aparelho estar avariado visto ter sido pechincha, agarrei no portátil e na antena que aquilo tinha trazido e vim ao teu blog (por acaso) e vi a localização exacta dos trasmissores, segui para Coimbra e só apanhei sinal de jeito em Banhos Secos (12-2009), após isto só consigo sinal actualmente até à zona de Adémia e muito fraco, o que significa que se o que está está e não pões mais transmissores entre Coimbra (Adémia) para Norte até Oliveira do Bairro as cidades de Mealhada, Cantanhede, Anadia e Oliveira do Bairro, não sei se Mira também, ficam às escuras, enquanto isto se resolvia com um simples transmissor no topo da Serra do Bussaco.

Continua o bom trabalho e desculpa o desabafo.

Yagi disse...

Cabrito do Monte,

Mealhada tem cobertura TDT, mas é necessário utilizar uma antena adequada! O mesmo para Cantanhede, Oliveira do Bairro, etc.

As mini antenas que vêm com os receptores tdt para computador só servem muito perto dos emissores ou em locais de recepção muito favorável!

Tem posts sobre o assunto aqui no blogue (DESTAQUES).

Quanto à Serra do Bussaco, estou plenamente de acordo, já fiz uma avaliação e com alguns cuidados, um emissor na Serra do Bussaco daria uma qualidade de cobertura superior a boa parte do distrito de Coimbra e Aveiro. Ainda não abordei o assunto porque tudo indica que ainda faltam instalar alguns emissores, mas pelo que sei não vai ser instalado nenhum no Bussaco.