sábado, 15 de janeiro de 2011

TDT HD em Portugal: realidade ou ilusão?

Quando a PTC anunciou a desistência da TDT paga, imediatamente saíram noticias nos jornais de que a PTC pretendia disponibilizar o espectro deixado livre para a RTP, SIC e TVI lançarem canais em alta definição. Na altura e em diversas ocasiões afirmei que tal não passava de uma ilusão. Continuo a pensar o mesmo.

Como disse então, essa suposta solução é a que interessa ao operador da rede, pois assim garante que não surgirá (pelo menos a curto/médio prazo) uma oferta de canais capaz de tornar a TDT suficientemente atraente e, consequentemente, um potencial concorrente do seu serviço de televisão paga. Como também já havia dito, está provado que os telespectadores dão mais importância à quantidade de canais e à qualidade dos conteúdos do que à qualidade técnica das emissões. Isso mesmo ficou também demonstrado um inquérito online no blogue TDT em Portugal em que 89% dos leitores favoreceram uma maior oferta de canais contra os apenas 11% que favoreceram canais em HD. Só quem não está interessado no sucesso da TDT pode ignorar a opinião pública.

Continuo pois convencido que a informação que tem vindo a público de que a PTC e os operadores televisivos estão em conversações para chegar a uma solução, não passa disso mesmo: conversa. Como também já havia dito, os operadores só estarão eventualmente interessados no espectro livre (Muxs B-F) se a utilização do mesmo lhes for concedida a preço de saldo! Tal como esperava, um ano passou e nada aconteceu. Mais, antes de 2012 não é de esperar novidades!

Na minha opinião, tudo não passa de mais uma manobra dilatória para impedir outra solução e atrasar ainda mais a TDT. Uma ilusão, portanto. Acredito sim, que os operadores de televisão estão apenas a seguir a estratégia da empresa que ganhou os concursos TDT. O Governo ou caiu no engodo ou faz de conta que não está a par da “jogada”!

De acordo com a posição da CPMCS*, os operadores RTP, SIC e TVI, para já, apenas “querem” emitir em alta definição os seus actuais canais (RTP1, RTP2, SIC e TVI). Para isso pedem a reconfiguração do actual Mux A, a fim de aí emitirem os mesmos actuais 4 canais em HD. Ora, o pedido não deixa de ser insólito e porventura revelador de ignorância sobre alguns dos mais básicos aspectos técnicos das emissões DVB-T.

A rede de emissores TDT foi planeada com base em determinados parâmetros técnicos predefinidos. A maioria desses parâmetros não pode agora ser alterada, sob pena de custos altíssimos e de voltar quase tudo à estaca zero! Para ser possível emitir 4 canais em Full HD 1080i com um mínimo de qualidade, a capacidade do Mux A teria de ser aumentada dos actuais 19.91Mbit/s para 26.13Mbit/s por via da alteração do FEC, dos actuais 2/3 para 7/8. Mas a alteração do FEC para 7/8 iria diminuir drasticamente a robustez do sinal TDT! A opção HD 720p seria possível com a alteração do FEC para 3/4, mas iria também afectar substancialmente a robustez do sinal TDT. Alterar a rede para DVB-T2, nesta fase, está fora de questão.

Os operadores de televisão pedem também que esta solução (alteração do Mux A) esteja já disponível, pelo menos, aquando dos primeiros desligamentos "piloto". Mais uma vez, o pedido demonstra desconhecimento técnico. A rede TDT actual funciona como "um todo", não é possível ter emissores a emitir com determinados parâmetros e outros com parâmetros diferentes. À data do primeiro piloto (espera-se) já todos os emissores deverão estar a emitir na nova frequência TDT (Canal 60 no Continente). Não será portanto possível ter "no ar" duas emissões diferentes na mesma frequência. A alteração, é técnicamente possível mas, a ser feita, terá de o ser para toda a rede e em simultâneo.

Como disse, considero a opção proposta pelas televisões a opção errada. Na verdade, as televisões estão a defender os seus interesses que, neste caso, são diferentes dos interesses dos telespectadores. As televisões ao defenderem a emissao dos 4 canais em HD no Mux A, o que pretendem na prática é impedir a entrada de novos canais no Mux A. Mas não só!  

Dizem também os operadores de televisão que terão que efectuar investimentos significativos para se apetrecharem para a mudança. Ora, os investimentos são ao nível de equipamentos de estúdio, decorrem da evolução normal da tecnologia e serão sempre necessários, qualquer que seja a plataforma de distribuição do sinal. Os programas dos operadores de televisão também são difundidos nas plataformas de televisão paga. Não estarão as televisões a reclamar pela possibilidade de emitir em HD na TDT para justificarem o recebimento de ajudas públicas a fim de financiarem os seus investimentos em alta definição?

Será legítimo às televisões reclamarem subsídios do Estado quando se recusam a chegar a entendimento para emitir o que quer que seja no Canal HD da plataforma pública TDT? Não creio!

Mais, a RTP, SIC e TVI têm emitido programação HD, em exclusivo, nas plataformas de televisão paga. Essa programação em HD tem sido utilizada para angariar clientes para essas plataformas de televisão paga em detrimento da TDT. É portanto das receitas obtidas dos operadores de Pay TV que deve advir uma eventual compensação financeira, não do Estado. Ignorar estes factos é brincar com o dinheiro e a inteligência dos contribuintes portugueses.

Mas, dito isto, não me surpreendia se a vontade das televisões acaba-se satisfeita. É que, como o Governo ou não consegue ou não quer impor a disponibilização da RTP Memória e da RTPN, ou de outros canais no âmbito do serviço público, na TDT à RTP, o HD é a última e única (suposta) tábua de salvação para tentar convencer os consumidores a trocar de televisor.

Como já tinha informado, em Janeiro de 2010 estimei que (em grande medida devido à norma escolhida) apenas cerca de 5% dos televisores em utilização tinham capacidade de receber a TDT portuguesa. Sete meses depois a DECO veio confirmar essa realidade, dizendo que a maioria dos televisores adquiridos antes de 2009 não são compatíveis com a nossa TDT. Hoje esse número não deverá ter melhorado substancialmente.

Como explicar então à maioria da população, uma parte substancial da qual a passar por grandes dificuldades económicas, a necessidade de gastar uma quantia apreciável de dinheiro para poder continuar a receber os mesmos quatro canais de sempre?

Na cabeça de alguns, é simples! Com o argumento da alta definição “empurra-se” o consumidor para a compra antecipada de um novo televisor já compatível com a nossa “fabulosa” TDT HD. Problema resolvido! O facto da qualidade de imagem oferecida pela alta definição só ser plenamente perceptível em ecrãs de grande dimensão parece ser um pormenor sem importância!

É normal que os operadores de televisão e o operador da rede defendam os seus interesses. Mas cabe ao Governo e aos reguladores zelarem pelos interesses e direitos dos cidadãos. O interesse do país e dos consumidores deve prevalecer sobre interesses privados. Será pedir demasiado?  

* Confederação Portuguesa de Meios de Comunicação Social


Posts relacionados:
TDT - Alta (in)definição
Desligamento analógico: adiamento cada vez mais provável
Anacom decide alteração da frequência TDT
TDT portuguesa - Que futuro?
TDT: MAP e ERC decidem novos canais
Portugueses querem RTP Memória na TDT
Quem quer tramar a TDT?
TDT paga sob investigação

15 comentários:

songohan disse...

É por comentários como este que adoro lêr este blog. :D

De facto foi atirado à juventude que o HD é que é a televisão do futuro... mesmo que em 99.9999% das televisões existentes nas casas dos portugueses a imagem tenha muito poucas diferenças.
Isto foi como aquele famoso butão de "mudança de ângulo" nos dvds... que se contam pelos dedos da mão os que o usam.
De facto o HD nota-se bem em televisões acima de 100cm, abaixo disso a melhoria de imagem é bastante pequena e passa despercebida. Com o sinal digital a imagem já melhora em relação ao sinal analógico... sendo que o HD é um simples extra.
Sem nada de novo, como já referiu várias vezes, as emissões da TDT estão condenadas.
Podiamos ter aproveitado os problemas financeiros que assolam o país para implementar uma TDT que ajudasse os portugueses a consumir mas com poucos custos (400 ou mais euros em troca dos 600 ou mais euros de assinatura anual de um operador por cabo).
Com uma simples alteração e com a RTP a liderar essa mudança, teriamos facilmente muita gente a mudar para a TDT.
E já nem digo a RTPN... bastava colocar a RTP Memoria no canal 5 com o sinal normal. Têm a vantagem de que muita gente mais idosa não pode pagar a tvcabo e facilmente iria investir para poder ver alguns dos programas antigos.
Como muitas das séries que a RTP Memória está a transmitir foram adquiridas ainda no sistema de compra para emissão livre (que vigorava até 1996), a RTP não terá de pagar direitos de emissão dessas séries. Alguns estúdios ainda cobram direitos mas o valor é muito baixo, pois séries com 20 ou mais anos tem um valor bastante baixo.
Sendo que essa opção encaixava perfeitamente no serviço público de televisão e um grandioso incentivo à adopção da TDT em muitas casas portuguesas.
E com a aderência à TDT surgiriam novas oportunidades e mais operadores se poderiam vir a interessar pelo aluguer dos muxs disponíveis.
Pena é que o mercado televisivo nacional esteja totalmente virado para a tvcabo paga em vez das emissões livres.
Estranhamente estamos a andar ao contrário de todo o mundo ocidental... e do que se passou com os telefones. E tudo porque o principal beneficiário deste panorama é a empresa que ficou com o sinal da TDT Livre.

Paulo disse...

É o que estou farto de dizer desde o inicio da TDT. Ninguém adere a TDT por ter mais qualidade. Esse pessoal não percebe que a população que "terá" que usufruir do serviço só quer poder continuar a ver TV.
Para mudar só se houver uma oferta de canais extendida. Que burros.

Afonso Anjos disse...

é uma vergonha como se tem tratado esta bela tecnologia em portugal, com sucesso e provas + que dadas pelo mundoe o povo em geral e os operadores que são os principais interessados não dizem nada. já eramos para ter uma RTP3 um canal de noticias como a sicnoticias, entre outros e não continuamos com os mesmos 4 canaizitos. Tens razão Yagi, antes do verão de 2012 não será de esperar mudanças significativas (se houver)

PedroG disse...

Já eu estou cada vez mais convencido que a opção do governo português em adoptar a norma que permite transmissões em HD foi a correcta...é que com o atraso que isto vai levar quando implementarmos já os outros países todos entraram na fase em que a UE os obriga a um upgrade para a mesma norma...enfim.
Quanto a canais extra acho que o mais fácil é ir viver para perto da fronteira com a Espanha
TDT = Totalmente Desiludido...Totalmente

Miguel disse...

Façam como eu: queixa ao Provedor do Telespectador da RTP!
Não se admite que o canal público esteja a produzir conteúdos e a criar canais só para benefício de alguns, os que podem pagar. Sim, porque a internet também não é de borla.
Se inundarmos a página do Provedor com queixas relativas à não inclusão da RTPN e RTP Memória em canal aberto na TDT e ao canal de música ser só para os operadores pagos, e o Provedor fizer um programa sobre isso, sempre tem mais visibilidade do que andarmos aqui a queixar-nos uns aos outros. 'Bora lá!

Helder disse...

Isto para mim não é novidade, já o disse varias vezes o 5º canal não arranca por varios interesses e não por questões tecnicas.

Mais um na berlinda e os actuais canais não tinham os mesmos lucros que adveem por exemplo da publicidade e assim já não poderiam pagar o balurdio que pagam a Fatimas Lopes e Julias Pinheiros entre outras(os).

Quando se tem um país e ainda por cima uma entidade reguladora que quanto a mim regula tambem para o mesmo lado não é de esperar mais nada disto.

A TDT por vontade de quem gere, regula e emite fica assim conforme está, a não ser que o FMI ou o BCE tambem possam interferir nesse sector e aí teriamos uma TDT a serio.

Yagi disse...

«Isto para mim não é novidade, já o disse varias vezes o 5º canal não arranca por varios interesses e não por questões tecnicas.»

O 5º Canal há muito tempo que é carta fora do baralho e não arranca porque as propostas dos dois concorrentes (TeleCinco e ZON)foram rejeitadas. Nunca foram invocadas questões técnicas.

songohan disse...

O 5 canal não arrancou porque quem apresentou projecto não tinha suporte financeiro para manter o canal operacional pelo período mínimo de 3 anos, que era o prazo inicial definido.

Isso poderá ser um passo mais avançado caso a tdt se vá expandido nas casas portuguesas. Para já vai existir a alteração de frequência do mux A... e uma boa forma de reduzir custos (os tais custos que a PT reclama como elevados) era adicionar já um canal experimental. A PT já o tentou fazer com a inclusão do AXN (seguido do AXN HD) mas esse canal é gerido por vários operadores televisivos... e não lhes interessava ter o canal em livre. Agora era usar a Rtp Memória e colocá-la lá.

Só isso seria um incentivo brutal para as pessoas investirem na sua instalação televisiva e equipamentos televisivos para mudar para a TDT.
Infelizmente mesmo as pessoas que fazem montagens de antenas incentivam as pessoas a aderir às tvcabos do que ficar com a TDT. (como já disse os meus pais já usufruem da tdt mas foi preciso gastar 200 euros num amplificador e alterações parciais à rede lá em casa... mesmo assim só 3 divisões recebem o sinal mínimo (o melhor está em 62%) para receber. Para colocar a tdt em toda a casa era preciso uma instalação quase totalmente nova, o que ficaria muito mais caro... e gastar já 750 euros sem saber se não vai existir algum recuo... valeu mais colocar só o amplificador que para já chega).

Ontem estive com uma pessoa aqui do prédio a quem tentaram impingir que a única forma de ver televisão era aderir à tvcabo. Infelizmente na reunião de condomínio tentei puxar esse tema pois a instalação da antena colectiva está muito degradada, só que com a maioria das pessoas a terem tvcabo, foi considerado um investimento desnecessário.
Agora, com gente desempregada e que recebe 4 canais com alguma chuva, já há mais alguns a perguntar se não valeria mesmo a pena investir na antena colectiva... só que somos 5 em 43... e com os vendedores a impingir a tvcabo com a desculpa que a antena não vai servir para nada é natural que ninguem se informe sobre a TDT.

@_Anonimo disse...

E porque não podemos termos todos os canais em HD e com mais oferta de canais?, porque aquela coisa, ou HD ou mais canais, isso não faz sentido pode-se ter todos os canais em HD, deve se utilizar as antigas frequências que eram ocupadas pelos canais analógicos, a PT anda enganar e bem muita gente, o que eles querem fazer com essas frequências é para fazer novos negócios, no fim depois, vão dizer que não há mais espectro radio eléctrico para colocar novos canais visto que essas frequências já estão ocupadas, resultado o Português vai ficar na mesma, ou então vai ter mais canais mas qualidade imagem vai ser muito ma, depois os gajos dos cabos vão se aproveitar disso e vender a dita qualidade de imagem, isto são tudo jogadas no fim que paga é o Português.
Ca paga-se caro pela ma qualidade,la fora paga-se barato com boa qualidade .

Outra coisa não misturem qualidade de sinal. com qualidade de imagem, pois em digital as coisas são diferentes.

Yagi disse...

«A PT já o tentou fazer com a inclusão do AXN (seguido do AXN HD)»

Já expliquei por diversas ocasiões que a PT só transmitiu programação de canais HD no Canal HD alguns dias antes e depois da data de lançamento da TDT (29/04/2009). Transmitiu em alternância alguns dos canais HD do MEO com um aviso de emissão experimental em rodapé.

Essa emissão da PT surgiu apenas porque nunca houve acordo entre a RTP a SIC e TVI para emitir no Canal HD. Serviu apenas para utilizar nas demonstrações à comunicação social e durante o lançamento da TDT!

A PT nunca pretendeu emitir no Canal HD e nem o podia fazer porque não tinha (nem tem) licença para emitir canais próprios no Mux A da TDT!

Nuno disse...

Caro Yagi e demais colegas interessados na TDT portuguesa.
Eu pessoalmente já tento desfrutar da nossa TDT já recebendo a mesma em dois televisores compatíveis com a norma MPEG4 h264, mas tenho a registar o seguinte:
Em relação à imagem propriamente dita nas emissões em SD (porque em HD ainda não tive oportunidade de ver nenhuma emissão) não vejo grandes melhorias em relação ao analógico, pois a imagem da TDT em SD é sempre muito empastelada e sem definição possivelmente motivado por demasiada compressão nos codecs de video, afirmo mais uma vez de que a imagem no analógico é bem mais agradável á vista, é claro que no digital temos imensas vantagens, não temos ruído nem interferências nem "fantasmas", mas penso eu de que... em relação á qualidade de imagem teremos muito a melhorar.
Agora em relação ao som, ó meus amigos não havia necessidade... o som da TDT é um miséria pegada, eu acho engraçado ninguém falar destas coisas, vamos começar pelos níveis de audio que estão completamente desajustado em termos de nível ai com uns 6dB a 9dB acima do normal, resultado disso em rodas as minhas TV´s com o volume no nº 3 ou 4 o audio já está elevadíssimo, e quando consigo chegar a 50% do volume este ultimo já se encontra completamente distorcido, uma verdadeira vergonha, isto mais parece um trabalho de fim de curso de uma universidade tecnológica quaisquer...
Ainda em relação ao som ou sendo mais preciso à falta de qualidade do mesmo no sinal da TDT é bastante relevante, isto quando toda a gente afirma nas potenciais capacidades do som e imagem da TDT, então façam o seguinte: liguem um bom DSP de audio á TDT e verão como a qualidade deste ultimo é miserável comparando com a qualidade do audio no sinal analógico, note-se de que o audio do sinal analógico de analógico tem muito pouco porque se tivermos a usar um televisor com a norma NICAM A2 o audio que estamos a receber já vem em formato digital e este sim, neste ultimo estamos perante um excelente audio sem duvida, mas mais uma vez comparando com o audio da TDT este fica muito a perder com o anterior (pelo menos nesta fase inicial está assim).
Eu acredito nas potencialidades da TDT mas meus amigos assim não vamos lã...
Nuno Jacinto
ct2jyg@live.com.pt

Yagi disse...

Caro Nuno,

A noção de qualidade varia de pessoa para pessoa. Relativamente à qualidade de imagem considero que a maioria dos programas têm boa ou muito boa qualidade de imagem. Aconselho rever as definições de imagem dos seus TV's porque por vezes algumas modificações melhoram bastante a imagem. Caso se tenha uma recepção analógica muito boa a qualidade de imagem na TDT não é tão notória. Em relação ao som, há muitos anos que é emitida uma segunda portadora digital NICAM nas emissões analógicas, mas o sistema audio da TDT é superior. Quanto aos níveis alguns televisores podem fazer a equalização. Não noto problemas de qualidade de som. Será uma prestação menos boa do seu receptor?

lmdf disse...

São 22:00 do dia 5 março de 2011, a RTP1 está transmitindo um programa de alta definição (AD)chamado "Festival da Canção 2011" este programa tem um grande interesse, é português, é de serviço publico, podia servir em realçar o interesse pela TDT e neste caso favorecer a publicação desse serviço nos termos da alta defenição, mas, ........., a TDT continua difundido um canal HD "Fatasma" com écran preto. Acho que vamos ter de combater com a falta de vontade das instituições que estão por de-traz disto, baseando-se numa troca de responsabilidades entre as instituições intervenientes. Para mim tudo está em prefeito estado de funcionamento técnico, só a boa vontade está faltando.

Neste caso nem a RTP, televisão que tanto se gaba de fazer serviço publico se aplica a valorizar a TDT.

Eu estive em países estrangeiros e eles nunca tiveram canais em AD "Fantasmas", mesmo que não tivessem nenhum programa para transmitir, emitiam umas gravações de paisagem que permitia usar esse canal como canal de demonstração, mas no canal AD português nada.

Deve de se estar esperando a inauguração do seu funcionamento pelo Primeiro Ministro (já é costume).

E ainda desconfio que a emissão sendo uma emissão 16:9 está sendo emitido em 4:3 no formato Leter box o que reduz mais a sua definição.

Tecnicamente podem enviar o sinal em tela cheia emitindo juntamente a informação de que o sinal é emitido em 16:9, seria o receptor a preparar o sinal de vídeo conforme o interesse do telespectador (O PAL+ não tem qualquer sentido no modo digital)

Nota: Os franceses faziam muito bem a comutação 16:9 / 4:3 no modo MPEG2, eles conseguiram, nós não !

Vou tentar enviar este comentário para todas as entidades intervenientes e ver as reações.

Anónimo disse...

Uma grande porcaria, que haviam de implantar cá em Portugal.
Como qualidade de imagem sim é muito boa nos locais em que o sinal é bom, noutros em que há problemas de sinal como sem e que a PT nunca resolveu não. Agora colocar mais canais concordo que devia ser como a nossa vizinha Espanha canais públicos são 8 canais privados gratuitos são 29 e a pagar são 3 e em alta definição são 4.

Anónimo disse...

Para fazerem o que fizeram deixavam estar como dantes a analógica, mas não foi para dar lugar á 4G e outros jogo de interesses e fazerem gastar dinheiro aos Portugueses ainda se fosse alguma coisa de jeito! Muita gente ficou sem ver, e até hoje os problemas ainda não foram resolvidos. Viram uma solução foi montar no Tervim (Lousa)um emissor de 100Kwt quando o problema podia ser resolvido de outra maneira, a PT comprar mais canais para não haver portadoras (eco)lá vai outra que o portuga tem de gramar.