sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Liquidação Total! - RTP2 acaba e RTP1 concessionada

(Notícia em actualização)
 
Segundo notícias publicadas em vários jornais, o Governo terá já decidido encerrar a RTP2 e o cenário de concessão do serviço público da RTP1 a privados é uma "hipótese muito atraente", segundo as palavras do economista e antigo vice-presidente do PSD António Borges, o consultor do Governo para as privatizações. Estes agora "quase factos" haviam já sido adiantados em Julho através do blogue TDT em Portugal neste post.

O jornal Público adianta mesmo que concessionar todo o grupo RTP (canais nacionais, internacionais e rádios) a privados por um período de 15 a 20 anos é uma das "soluções" contempladas. Nesse caso o(s) privado(s) receberiam as receitas da taxa de contribuição audiovisual (140milhões/ano). Pergunto: será possível assegurar um serviço público de qualidade com 140 milhões de Euros sabendo que parte dessa verba não será aplicada no mesmo, pois reverterá a titulo de lucro para os accionistas das empresas concessionárias?

Parece pois que o Governo vai criar uma ou mais parcerias publico-privadas para a comunicação social pública. No fundo trata-se de utilizar intermediários. Naturalmente, o objectivo de qualquer empresa privada é ter lucros. Resta saber como poderá ser vantajoso para o Estado, ou seja poupar dinheiro, subcontratando privados e sabendo todos os desastrosos resultados que as parcerias público-privadas provocaram nas contas públicas.

Como comentei em Julho, o Governo quer de facto acabar com o serviço público e entregar tudo aos privados. Em 1995 o governo PSD vendeu a rede de emissão de televisão à Portugal Telecom, agora pretende vender o resto. Em matéria de televisão não temos Governo, temos um gestor de falências e uma comissão liquidatária! Os portugueses, que já têm uma das mais pobres ofertas de canais de televisão em sinal aberto, poderão muito em breve ver ainda mais reduzida a oferta da TDT.

O encerramento da RTP2 e a privatização da RTP1 é talvez o passo final para o estrangulamento da televisão de acesso livre em Portugal e forçar à migração para a televisão por subscrição. Não me surpreendia se nenhuma empresa estrangeira estiver interessada em ficar com a RTP1. Afinal, qual o interesse de investir numa plataforma de distribuição que vem sendo sabotada por todos e com “a benção” dos próprios governos? O que desejava era que se alguma empresa estrangeira estiver de facto interessada em ficar com o que sobrar da RTP, que exija em contrapartida licenças para lançar novos canais na TDT. Queria ver o governo descalçar essa bota! Mas, tal como aconteceu com a TDT, o negócio provavelmente já deverá estar devidamente "combinado"!

27/08/2012:
O "Governo" quer fechar a RTP2 porque considera que é muito cara e tem pouca audiência. No entanto a programação da RTP2 custa menos de um quinto da programação da RTP1, como se pode comprovar pelos dados financeiros publicados:
31/08/2012:
O Conselho de Administração da RTP apresentou hoje a sua demissão. Não deixa saudades! 
Esta administração não defendeu os interesses dos telespectadores e não colaborou com os Provedores do Telespectador e do Ouvinte. Foi uma administração que beneficiou grandemente empresas privadas (televisão por subscrição) sacrificando o interesse público. Esta administração marginalizou completamente a Televisão Digital Terrestre, não cumprindo nem dando qualquer explicação para o não cumprimento dos planos da empresa para a TDT, nomeadamente o lançamento de dois canais temáticos previstos.  Demonstrou também constante desprezo pelos cidadãos que solicitaram esclarecimentos a respeito da posição da RTP perante a TDT, sem nunca terem obtido respostas. Recordo também que foi durante esta administração que, com apoio em estudos com informações erradas, foi encerrado o serviço em Onda Curta da RDP Internacional.

Com a demissão da administração da RTP fica aberto o caminho para a execução dos planos do Governo para a RTP. A administração que se seguir será na prática uma Comissão de Liquidação do serviço público de rádio e televisão!

Entrevista (muito informativa) ao porta-voz da Comissão de Trabalhadores da RTP:



5/09/2012:
As noticias em redor dos planos do Governo para a RTP causaram alarme junto da EBU (União Europeia de Radiodifusão) que enviou uma carta ao Primeiro-Ministro Pedro Passos Coelho. Entre várias criticas, a EBU "recorda" a importância do serviço público na sociedade.

2/10/2012:
O jornalista Jorge Wemans pediu a demissão do cargo de director da RTP2, que ocupava desde 2006, por discordar da nova linha de produção do canal. “O que está em causa verdadeiramente é o que em termos de televisão e de serviço público, a RTP vai oferecer aos portugueses e essa é a razão do meu pedido de demissão”, disse. Jorge Wemans explicou ainda que, neste momento, “não tem razões nenhumas para crer que o serviço público que a RTP vai oferecer no futuro dê guarida ao que tem sido o essencial das linhas de produção e de emissão e programação da RTP2 nos últimos anos”.

Está portanto em marcha e a bom ritmo o plano do Governo para a destruição do serviço público de rádio e televisão. No final, se nada for feito para travar esta monstruosidade, o serviço "público" de televisão poderá resumir-se a um canal generalista, totalmente partidarizado e cuja linha de programação será essencialmente ditada pelas audiências.

O conselho de administração da RTP decidiu já solicitar parecer à ERC para a nomeação de Hugo de Andrade Rodrigues, actual director da RTP1 e RTP Memória, para o exercício deste cargo em acumulação. 

23/10/2012: GOVERNO ABANDONA INTENÇÃO DE FECHAR A RTP2
O Governo parece finalmente ter desistido da intenção de fechar a RTP2 e assegura que o canal irá permanecer com o perfil que existe hoje, qualquer que venha a ser a solução definida para o futuro da RTP e apesar da redução do orçamento do canal para 2013. Finalmente acabou por imperar o bom senso de não tirar aos portugueses o verdadeiro canal de serviço público da televisão portuguesa! Mas esta foi apenas uma das propostas do Governo que causou perplexidade um pouco por todo o mundo e em especial na Europa, chamando a atenção para o "estado medieval" da televisão portuguesa, uma realidade que o Governo e a administração da RTP tentam ocultar. Hoje mesmo, o canal cultural ARTE está em Portugal para uma reportagem sobre a situação da televisão pública portuguesa, mas a administração da RTP recusou autorizar a captação de imagens dentro das instalações por não considerar "oportuna ou relevante esta visita". A forma como a Televisão Digital Terrestre foi introduzida em Portugal e o ataque ao serviço público de rádio e televisão são motivo de estupefacção e ridículo um pouco por todo o mundo. Os responsáveis por este estado de coisas são conhecidos!   

20/11/2012:
Ontem o novo presidente do conselho de administração da RTP Alberto Pontes (nomeado pelo actual Governo) disse que não concebe o serviço público sem dois canais de televisão e ter ainda “a convicção” de que a estação pública «vai manter os dois canais generalistas e as três rádios – Antena 1, Antena 2 e Antena 3». Hoje, o ministro Miguel Relvas desmentiu-o negando a existência de qualquer decisão. Que palhaçada!



Posts relacionados:
A RTP TRAIU OS PORTUGUESES!
RTP vs. TDT
Televisão Pública: públicas virtudes, vícios privados
O Futuro do Serviço Público de Rádio e Televisão

48 comentários:

Pedro Viana disse...

E adivinhem que vai comprar? http://www.publico.pt/Media/grupo-angolano-cria-empresa-para-comprar-canal-da-rtp-1560104?all=1

Miguel disse...

Nem vale a pena comentar estas "notícias"!
O sr. António Borges não é membro do Governo e, como tal, não é ele quem decide. O que ele disse é que esta é apenas uma das opções possíveis mas, como já vem sendo preocupantemente habitual, a comunicação social convenientemente manipulou as declarações dele de modo a dar a ideia que a decisão já foi tomada. E o português, como de costume, emprenha pelos ouvidos e ái de quem vier depois dizer o contrário!
Quem manda verdadeiramente neste país é a comunicação social, não o Governo.

Yagi disse...

Caro Miguel, presumo que seja Miguel Couto, militante do PSD?

Anónimo disse...

Deixa-me ver se compreendo... o que vou dizer é um pouco especulativo mas,
falta inserir o artv mas ao que parece existe um problema legal, visto que ao se inserir o artv, abre-se a porta a mais operadores de tv na tdt ... e a zon,ptcom e companhia não quer nada disso.

Vende-se a rtp1, fecha-se a rtp2 e troca-se pela artv.
Muito obrigado.

Yagi disse...

A ARTV é de facto um canal de televisão e como tal seria necessário ter licença para emitir em aberto, o que seria fácil de obter. Mas isso iria abrir a porta à possibilidade da entrada de outros canais de interesse público exclusivos do cabo (RTP Memória, RTP Informação,...). Por isso tudo indica que a ARTV vai entrar na TDT de facto "à margem da lei".

Sagit disse...

Todo este processo da mudança da tdt é repleto de amizades e companheirismos, cada vez mais vemos portugal a afundar em corrupção, neste caso em especifico desde a introdução da tdt com a sua débil cobertura, a falta de incentivos à mudança (o único incentivo que tivemos foi a pressão feita pela anacom que por muito que se diga que não, nunca deixou de ser um departamento da PT).
Agora com a sede de poupança em que cegamente corta-se custos que rapidamente se revelam ser novos encargos. Infelizmente por muito que se diga a politica é uma maquina e para se entrar todos têm de ter aquele formato, por isso digo, passe quem passar todos iram fazer o mesmo e enterrar todos os serviços que ate ao momento dava-mos como garantidos e livres, em nome da poupança mas cheios de segundas intenções.

ra20 disse...

Não entendo porque é que o sector da televisão é protegido. Porque não se liberaliza o mercado da TV. Usam o argumento de que o mercado publicitário não chega mas no entanto autorizam canais no cabo com publicidade.
Os jornais e revistas são livres de abrir e fechar conforme são ou não viáveis e risco é dos seus accionistas. Porque não fazem o mesmo com a televisão??? Quem quisesse abrir um canal de televisão assumia os riscos!
Não se entende todo este proteccionismo aos canais de televisão existentes!

Miguel disse...

Yagi escreveu: "Caro Miguel, presumo que seja Miguel Couto, militante do PSD?"

Já agora, porque não Miguel Relvas ou Miguel Frasquilho? Não, não sou nenhum dos 3, sou apenas uma das poucas pessoas neste país que ainda vai pensando pela sua própria cabeça.

songohan disse...

Já se esperava uma coisa destas...
E Miguel, (a não ser que sejas tu mesmo) o Miguel Relvas, MINISTRO que têm esta pasta, já veio CONFIRMAR que esta é a melhor hipótese "porque continua a manter a RTP como propriedade pública e iria reduzir os custos. Se existir um interesse em voltar a ter a RTP como canal público, poderá ser feito após o termíno do contrato com a nova operadora".
Para além disso, o Borges ESTÁ MANDATADO pelo governo para tratar de TODAS AS PRIVATIZAÇÕES DE EMPRESAS PÚBLICAS. Portanto ele sabe bem do que está a falar... porque é dele a primeira palavra (muitas vezes a última).
Depois de lêr um comentário ali noutro tópico, já temia que a RTP fosse mesmo deixar de existir.
Interessante é como as coisas se desenrolam.
O ministro Paulo Portas têm uma viagem a Angola no próximo dia 4 de Setembro para ir apresentar empresas portuguesas aos angolanos... há poucos dias saíu a notícia que a grande operadora PÚBLICA angolana criou uma empresa com outras empresas do audiovisual (onde estão incluídas 4 empresas que são propriedade da Ongoing...) que têm como objectivo "averiguar possíveis investimentos internacionais".
Uma das pessoas com quem o nosso ministro se vai reunir é o director dessa empresa... Coincidência?
Por outro lado, temos a TDT... com a cessão da emissão da RTP2 a 31 de Dezembro, abre-se a porta para 2 de janeiro iniciarem as emissões da ARTV já com uma licença de emissão em livre.
Com a extinção da RTP, sendo que a licença de livre do canal 1 irá para o operador que fique com a exploração do canal, a licença da RTP2 pode ser "revertida" para a ARTV.
E assim ficaremos, na mesma, com 4 canais no serviço público. Canal 1, ARTV, SIC e TVI.
Resolvem 2 problemas com uma só manobra.
Falta é ver o que se vai passar com os contratos que existem entre a RTP e as operadoras de cabo.
Se forem mesmo os angolanos a ficar com a concessão, será que os outros operadores, concorrentes da ZON, irão pagar os valores pedidos pelo novo operador, em que os mesmos interessados na operadora de cabo terão 50% ou mais de poder de decisão desses mesmos valores?
Foi por isto que o governo pagou as dívidas todas da RTP... ainda pagará mais pelas rescisões de milhares de funcionários e entregará uma empresa já rentável a muito curto prazo a uma empresa privada... com a garantia que lhes pagarão, todos os anos, 134 milhões de euros da contribuição audiovisual, mais uma quantia similar para assegurar a publicidade a funções do estado.
É que a publicidade institucional que passa na RTP2 e RTP1 não é paga, quando está a promover alguma coisa pública... no novo operador, isso é considerado publicidade comum e terá de ser paga, pois não está abrangida pelo serviço público de televisão.
Estamos a ir para quando este governo sair do cargo, o futuro governo não terá nada em seu poder e as decisões todas serão tomadas por um grupo de administradores ligados ao CDS e PSD, que estão nos comandos das empresas que ficam com estes serviços...

Anónimo disse...

Miguel, numa coisa tem razão; nos usamos a cabeça, os políticos usam os lóbis.

Como não aprenderam com erro que foi a concessão de hospitais, auto-estradas... só faltava mesmo testar na RTP. Será que eles não se lembram de concessionar o parlamento? Talvez tenham medo em ver as suas refeições de luxo deixar de custar 10 euros! Não bastava obrigar a RTP viver com as receitas da taxa audiovisual. Pois esta solução dava mais trabalho ao ministro, não dá empregos bem pagos para bu.... e não agradava os amigos da pt, zon, impresa, média capital...

Ouvi dizer que querem pedir ajuda ao presidente da república. Não vale a pena, só a troika nos pode valer.

Prevejo o fim da TDT e o aumento da taxa audiovisual.

JORGE

songohan disse...

Estive a lêr as notícias de vários jornais e todas apontam para o mesmo:
A RTP será entregue GRATUITAMENTE a um concessionário privado durante 15 a 25 anos (um jornal avança que será feito um contrato de 15 ano renovável automaticamente por mais 5 sem termo acordado).
Mais interessante é que a estrutura da RTP têm estado em mudanças desde 2009 e estava pensada para suportar os 4 canais de televisão e os 4 de rádio, com 125 milhões de euros anuais. O que iria permitir acabar com a contribuição audiovisual no final de 2013 mantendo o mesmo nível do serviço dos 2 últimos anos.
Uma coisa que me está a fazer espécie é não ver a RTP Memória em nenhuma das notícias. Fala-se da RTP1, RTPI, RTPA e a RDP. Mas não há qualquer rasto da RTP Memória...
Será que o canal é para fechar? Uma vez que o arquivo audiovisual é propriedade do governo mas os equipamentos, que são usados para a transmissão, são propriedade da RTP. Com a concessão ou passam o canal para as mãos do novo concessionário e ficam a receber um valor pelas imagens lá usadas ou fecham o canal... ou ficam com equipamentos que são pagos ao concessionário e emitem o canal como está actualmente.
Ainda temos as rádios como sendo outro problema. Segundo as várias notícias, a ideia é encerrar a Antena 3, reduzir brutalmente os funcionários ligados à Antena 1 e Antena 2, manter as 2 rádios de cobertura nacional e "vender" o espaço ocupado pela Antena 3 na cobertura nacional a algum interessado.
Depois, surge um comentário (penso que no DN mas não tenho a certeza) que diz que a possível concessão da Antena 1 irá obrigar a estação a ter de pagar os 175000 euros anuais à FPF para poderem relatar os jogos de futebol da 1 divisão (50000 pela 2 divisão), se querem relatar, praticamente, todos os jogos como fazem actualmente. Existem valor mais baixos, como acontece com o grupo renascença, que só relata os jogos dos 3 grandes.
Basicamente, será mesmo o fim do futebol em sistema livre. As rádios só devem ficar com os jogos dos 3 grandes e, nas tvs, só fica a liga europa e a liga dos campeões com 1 jogo por jornada de cada.

Será o fim do futebol como o conhecemos até ao ano passado... estádios a ficarem mais desertos que os restaurantes de luxo e jovens que deixam de ter qualquer interesse pelo desporto.
Se agora ainda existe algum, é culpa da Antena 1 e do joguito que era transmitido em direto num dos 3 canais.

Miguel disse...

Extinção da RTP? Fim do Serviço Público de Televisão? Até onde vai a vossa imaginação...
Para que é que o Estado precisa de 2 canais de serviço público quando a economia nem 1 consegue sustentar? Se pensarmos na necessária redução dos custos do Estado, então concordo com o fim da RTP2.
Mas daí a concessionar o SPT a privados vai uma grande distância.

Bom, fico-me por aqui porque não vou gastar mais o meu latim com comentários sobre situações hipotéticas.

Anónimo disse...

Este assunto a mim só me provoca vómitos. É muito triste viver num país onde a sua gestão está a anos-luz da que é praticada nos países nórdicos. Não é por acaso que eles não nos querem emprestar dinheiro... Num país minimamente democrático as decisões são tomadas informando os cidadãos de toda informação, procurando minimizar as perdas para população em geral. Será que foi isso que aconteceu aqui!?
Onde está a informação de quanto custa cada canal da RTP? Quanto vai custar a partir agora o canal ARTV? Se andamos a gastar várias dezenas de milhões euros do orçamento público e muitos milhões às famílias para implementar a TDT, porquê acabar agora com ela? Se todos pagamos, não temos o direito de ser ouvidos? Foi para isso que se inventaram referendos. O bom desta notícia é que ela demonstra a incompetência do ministro que tutela esta pasta: demonstra incapacidade de controlar as contas de uma empresa.

José Gomes

Anónimo disse...

Esse Miguel tá-se mesmo a ver que pensa pela cabeça dele, tá-se tá-se
vai dar tanga par outro lado

Anónimo disse...

Eu estou contra ao que me parece que eles querem fazer à RTP. Encherem as mãos amigas à custa dos portugueses.

Eu não vejo com maus olhos a concessão da RTP, desde que esta seja entregue a uma instituição sem fins lucrativos, por exemplo, a uma universidade ligada a comunicação social. O MESMO DEVERIA ACONTECER COM A EXPLORAÇÃO TDT.

Não compreendo porque se tem de fechar a RTP2. Existem, certamente, vários canais locais disponíveis para fornecer a sua produção local para passar neste canal nacional.Daqui a umas décadas vão descobrir que nossas fronteiras, que tantas vidas custaram para se conquistar, não passam de virtuais: o nosso interior falará espanhol e nossos emigrantes já não saberão falar língua Camões. TEREMOS SAUDADES DO QUE FOMOS! Ana

André disse...

Resumindo, pelo que percebi da ideia do governo será assim:
Um grupo qualquer irá receber todo o património da RTP, será obrigado a ter 1 canal em livre na tdt e ter 3 canais no cabo (ouvi o borges falar da info, internacional e africa mas esqueceu-se da memória?).
Em troca de continuar a emitir séries de "interesse público" irá receber 150 milhões da taxa audiviovisual paga com a electricidade por cada família.
O governo ainda irá pagar, no mínimo, 50 milhões por "serviços prestados ao estado".
Sendo que, com isso, a RTP irá continuar a ter, no mínimo, 144 minutos por dia para publicidade normal.
Em valores de 2010, isso quer dizer uma receita acima dos 290 milhões de euros.
Mesmo com ordenados 600 vezes acima dos actuais, o concessionário irá ter um lucro, mínimo, de 75 milhões, depois do pagamento dos impostos.
Isto, logo no 1 ano de actividade...

Já agora, será que é constituicional que se pague uma taxa obrigatória por um serviço privado? É que a lei das autoestradas não se pode aplicar para o serviço de televisão.

Pedro disse...

É tudo manobra política para salvar a imagem do Relvas, que ficou muito prejudicada com o esquema do curso universitário, que legalmente tirou.

A RTP1 e RTP2 vão acabar por manter-se no estado. Primeiro lançam-se notícias supostamente fidedignas a dizer que vão acabar com a RTP e no final aparecerá o Relvas, como grande salvador nacional, a cancelar a hipotética privatização da RTP, limitando-se a impor um regime mais duro de gestão à administração da RTP.

Acham que a verdadeira oposição (Cavaco Silva) ia deixar uma coisa dessas. Ele já se chamoscou à uns tempos atrás. Precisa de recuperar a imagem. Nunca irira deixar passar isso.

Yagi disse...

Miguel Relvas não tem qualquer possibilidade de recuperar a sua imagem. Esta indefinição quanto ao rumo a seguir pela RTP demonstra bem o estilo da sua governação, como aliás já tinha ficado patente com o dossier TDT. É só mais do mesmo...

Castro Sousa disse...

Cá está um dos modelos que eu não tive conhecimento.
Mas, a razão para a sua escolha é do meu conhecimento: O governo apresentou a proposta de vender cada canal e equipamentos em separado a várias operadoras, nacionais e estrangeiras, mas nenhuma se mostrou interessada nesse negócio.
Existiu interesse de uma operadora brasileiras em ficar com o lugar do canal 2 mas sem interesse no canal 1 nem no equipamento.
Assim, a ideia de vender os 2 canais, ficou descartada.
Ainda ontem (27) 2 ministros estiveram reunidos com representantes dos 2 operadores brasileiros para verificar se eles estariam interessados noutro tipo de negócio (possivelmente esta concessão).

Por outro lado, ontem, a direção da RTP lançou um ultimato ao governo que, caso avancem com a concessão, todos os elementos se demitem após a apresentação pública do concurso para a escolha do operador e que o governo terá de assumir directamente a direção da RTP, pois todos os elementos das várias seções cessarão funcões imediatamente.
Como o ministro está fora do país, o secretário de estado foi contactado para estar presente numa reunião a realizar hoje para lhe ser entregue a ata da reunião com essas decisões.

Mas, por agora, isto é o mais fácil que tenho tido por aqui. Como ainda não existe decisão e só existem conversas, só se falam em hipóteses.
No caso do canal parlamento a coisa está muito mais quente do que se mostra aí para fora.
O governo já alterou as normas da ARTV e publicou no diário da república essa alteração que permite emitir o canal na TDT.
A ERC enviou, ontem, um memorando a informar a Assembleia da República que, se avançarem com o canal para a TDT, será aberto um procedimento judicial por emissão "pirata" em sinal não autorizado.
Ao que, os acessores, responderam que se a ERC abrir o procedimento contra a Assembleia e o Governo, irá ser extinta imediatamente e os seus deveres transferidos para a Anacom.
Vários membros da ERC já ameaçaram com uma queixa para o tribunal europeu, caso isso vá para a frente.
Como parte do governo está fora do país, outros estão de férias e outros ocupados em reuniões com a chamada Troika, há que esperar para ver o que acontece até dia 18 de Setembro.
No entanto, a ameaça de extinção da ERC terá sido feita no último conselho de ministros por causa do parecer que foi emitido acerca da necessidade de alteração da lei da televisão ou abertura de concurso público para a emissão da ARTV.
Por outro lado, a Assembleia e o Governo propuseram que a ARTV vá para a posição 5 da TDT, encerrando o canal HD de vez. Segundo o pedido, "esta alteração iria permitir que todos os utilizadores da TDT tivessem acesso imediato ao canal sem qualquer necessidade de sintonização dos receptores".
Como o canal HD já não existe nos papeis, presumo que, a PT irá aceitar esta sugestão.
Daqui a 1 semana, já com quase todos os "interessados" de volta ao trabalho, isto vão ser umas semanas muito quentes...

Yagi disse...

Muito interessantes as informações que partilha Castro Sousa. Obrigado! Espero que entre os operadores brasileiros que refere não esteja a TV Record :)

A novela ARTV demonstra mais uma vez o nível dos nossos políticos que parecem dar-se mal com a democracia. Disso falarei mais tarde...

Ainda relativamente à ARTV, para não ser necessário re-sintonizar os equipamentos, a posição a utilizar (LCN) seria a 7 (a posição do Canal HD) e não a 5.

Anónimo disse...

Boas informações e bons comentários por aqui. Obrigado Yagi, obrigado Castro Sousa e outros participantes deste blogue, têm prestado um verdadeiro serviço público. Só destoa um tal de Miguel que tem o desplante de insinuar só ele pensar pela própria cabeça, ao contrário de outros, mas que curiosamente apenas repetiu, como um papagaio, o que elementos do PSD disseram em reacção às declarações de António Borges na entrevista à Judite de Sousa. Toda a gente percebeu que estas notícias agora surgidas se trataram de um balão ensaio para testar reacções e ir preparando terreno para uma decisão final. E que, pelos indícios apresentados pelo nosso "agente infiltrado" CS (se não bastasse constatar quem conduz este processo), dá para perceber que não vem aí coisa boa. Vai ser uma guerra de nervos, muito tensa - gostei de ouvir o Marcelo Rebelo de Sousa, no domingo, a subir a parada muito alto. Além de velha raposa ele sabe o que está aqui em jogo: como disse e bem a user Ana, é a nossa identidade cultural que está em risco. Não há paralelo na Europa de um tratamento feito assim ao serviço público de televisão, se este cenário se concretizar. Nenhum país civilizado o fez. Seria o desbaratar do nosso património em favor de interesses privados e a falta de exigência pelo enriquecimento cultural da população abrindo caminho para a mais completa mediocridade. Para uma tão pobre TDT que já nos tinham presenteado, só falta mesmo a machadada final se quiserem converter o nosso povo nisto:

http://www.youtube.com/watch?v=Cey35bBWXls&feature=related

(Para quê estudar se o que importa são as equivalências?)

Façam como eu: a partir de agora, voto só em partidos que não tenham deputados (nem vícios)
Pedro

David disse...

Já há muito que se escreve sobre esse Miguel Relvas e ele ainda continua lá.

É como disse um "Anónimo" nas próximas eleições para o Governo irei apenas votar num dos partidos minoritários.

Isto é uma palhaçada pegada e já nem posso ouvir falar de TDT e RTP manipulada por estes "senhores".

Yagi disse...

O que está a passar com a RTP é a continuação da trapalhada com a TDT! Parece mau demais para ser verdade, mas se não houver reacções fortes a estas aberrações, podem crer que o governo leva a sua avante sem se preocupar com as consequências, tal como aconteceu com a TDT!

O Governo tem várias propostas "em cima da mesa" (eu diria por baixo da mesa!) e não as explica nem se compromete com nenhuma para depois tomar a decisão em cima da hora e dar o caso como consumado sem tempo para discussão.

Isto é tudo um disparate pegado, mas por mais absurdas que as propostas sejam, que ninguém se cale porque quem cala consente!

Anónimo disse...

Importa aqui dizer que não é a RTP que vai defender a TDT, pois ela teve muitas oportunidades para isso. A RTP só esta a pagar a má escolha que fez. A RTP com os recursos que tem poderia disponibilizar não só os quatro canais que DEVERIAM ESTAR na TDT como também mais uns dois ou três canais mais as rádios do grupo. Veem alguma disponibilidade para isso?

O quadro apresentado pelo YAGI apresenta a falta de alguns itens, caso do desporto. No relatório e contas de 2010 e 2011 os custos com a programação do grupo, incluindo as rádios, ascende a mais de 100 milhões euros anualmente. O outro item que mais gastos têm é os custos com pessoal, onde o grupo privado que ficar com a RTP vai fazer uma "festa", este custa mais de 100 milhões anos. Estes dois representam mais de dois terços dos gastos. Estes dados também provam que a RTP informação só existe enquanto a RTP generalista pagas os custos com a redação de informação. Não foi por acaso que o Pinto Balsemão fez a junção das redações de informação da sic e sic notícias, e despachou o excedente.

Mesmo assim admiro o YAGI por ter conseguido obter um quadro com a informação detalhada por canal. As vezes até parece que a RTP não quer passar a informação toda cá para fora. Os valores apontados no quadro em relação à RTP INFORMAÇÃO não davam para pagar a transmissão da volta à França...

Jorge

ra20 disse...

Eu não entendo porque o mercado da televisão é protegido!!! Quem quer abrir um jornal corre o risco e o mercado é que define se é viável ou não!!! Com a televisão é precisamente o contrário. Os operadores existentes actuam num mercado compl...etamente protegido em que não é possível aparecerem novos concorrentes!! Se todos os sectores têm sido liberalizados porque não acontece o mesmo com a televião??? Porque não se liberaliza o mercado televisivo permitindo aparecimento de novos canais e quem quisesse corria o risco??? Porque se protege tanto as televisões existentes??? De que tem medo o Governo??? Argumentam que a publicidade não chega para todos??? Porque não deixam o mercado decidir quem tem capacidade para existir???

Yagi disse...

«Importa aqui dizer que não é a RTP que vai defender a TDT...» - Pois não e tem sido dito repetidamente por mim neste blogue, por exemplo no post RTP vs. TDT cujo link está disponível no final deste mesmo post!

Os dados do quadro são os dados publicados pela própria RTP no Relatório e Contas. Desconheço porque razão os direitos e custos com programação desportiva não estão incluídos no quadro. A informação é escassa e já reclamei publicamente por esclarecimentos quanto às separação das contas dos canais livres e canais do cabo, mas sem resposta da administração da RTP.

É evidente que há grandes sinergias entre os canais e com o encerramento da RTP2 e a "privatização" da RTP1 essa sinergia desaparece e a manutenção da RTP Informação será mais complicada. A prazo até mesmo da RTP Internacional e a RTP Memória. É uma das razões porque tenho afirmado desde há muito tempo que fechar um canal vai poupar pouco ao Estado e vai piorar o serviço público.

Yagi disse...

O mercado da televisão é protegido porque a televisão tem um poder enorme sobre a opinião pública!

Aos governos convém que não haja pluralismo na informação porque dessa forma torna-se bem mais fácil o seu controlo. Com apenas dois grupos privados com canais de televisão (ainda por cima com ligações ao PSD e CDS), fica bem mais fácil controlar a televisão.

LuisA disse...

Vai haver amanha(02)um protesto contra o fim da rtp 2 e concessão da RTP 1 a privados, este protesto conta com o apoio da CP da RTP
https://www.facebook.com/events/316431438453085/

Castro Sousa disse...

Nem tinha notado esse erro na documentação yagi.
:D felizmente eles colocaram a informação acerca do canal HD, assim, sempre a PT entende o pedido.
Mas, há mais da ARTV, já que tens um tópico sobre ela, eu posto lá o que se passou nestes últimos dias.

Acerca da venda/concessão, descobri ontem que não existiam 4 estudos/pareceres... mas 5.
É que um grupo de produtores, juntos com a SIC e TVI, enviaram uma proposta no dia 23 de Junho de 2012, para ser adicionada ás, possíveis soluções para a RTP.
Não tenho muitos promenores mas, hoje ou amanhã um jornal diário irá ter isso com muito mais informação do que eu posso dar neste momento.
Esse foi rejeitado imediatamente pois a SIC terá pedido para ter a Sic Radical na TDT, o que o grupo de privatização terá recusado. Ainda foi proposto que fosse a sic informação, assim ficaria a RTP1, RtpInfo, SIC, Sic Info, TVI e TVI24. No entanto não existiu resposta e a maioria dos consultores disse que não existia qualquer hipótese dessa possibilidade vingar.
Então voltaram-se aos 4 que andavam em cima da mesa.
Curiosamente,o da venda da rtp1 e rtp2 em partes separadas não está a ser colocado como tendo sido estudado... mas foi e o ministro dos negócios estrangeiros, ao contrário do que ele e o partido dele dizem, esteve reunido com a SBT e a Record a ver se eles estariam interessados nesses negócios. (yagi acertaste, a Record foi quem se mostrou interessada em ficar com o canal 2 em 2013 mas era só com o canal, o resto não lhes interessava)
Seguiram-se reuniões em Moçambique com alguns interessados na venda da TAP e da Ana e reuniões com membros da TPA e uma outra empresa que desconheço o nome, para averiguar o interesse no negócio da RTP.
Isto gerou mal estar entre o ministro Relvas e o ministro Portas. Pois o CDS foi dizer para a comunicação social que não sabia de nada... quando foi o próprio líder do CDS que estava à frente dos contactos para a venda da RTP.
Outro ponto engraçado é que o grupo parlamentar do CDS sabia de todos os estudos e dos vários contactos que iam sendo feitos, enquanto que o ministro relvas e a liderança do governo, nada sabiam.
O mesmo se passa com a Ana e a Tap... e o primeiro ministro anda perdido a tentar travar as discussões que vão acontecendo todos os dias entre os 2 partidos.
Na segunda 2 acessores do ministro da solidariedade não quiseram abandonar a sala do senado em protesto por não ter sido o ministro Mota Soares a ir a Alcobaça participar na conferência de impressa do petróleo.
Graças ao Borges ter percebido mal as informações, ele acabou por falar cedo demais (algumas pessoas dizem que foi de propósito para aproveitar a entrevista ser em directo e não existir possibilidade de cortar esses dados) acerca da RTP e muitos membros do governo ficaram de mãos atadas (e os bolsos vazios...).

Yagi disse...

Lá está, ficar SÓ com a RTP1 parece despertar muito pouco interesse aos investidores, como tinha vaticinado. A TDT está tão pobre que ninguém parece querer investir dinheiro para explorar apenas um canal. Querem introduzir mais canais para rentabilizar, é lógico. Mas permitir 3 canais de noticias também não concordo. Espero que a Record nunca obtenha licença para emitir na TDT. Os nossos governantes que tenham juizinho!

André disse...

Alberto da Ponte irá dirigir a administração da RTP.

Este gestor que passou por várias empresas ligadas ao grande comércio e produção de cervejas, estava "desterrado" num cargo executivo ligado à marca Heineken.
Foi nomeado para um cargo na EDP que recusou por estar sedeado numa empresa holandesa ligada à empresa de cerveja onde negocia com hotéis, festivais e outras formas de propaganda.
Depois de sair da Sociedade Central de Cervejas 1 ano e meio antes do final do seu mandato, transferiu-se para esta sociedade ligada à Heineken (dona da SCC), na altura referiu que era uma "promoção e que um bom gestor nunca poderia desaproveitar um cargo de maior importância no organograma da empresa mãe".

Agora, volta para tomar conta da RTP.
O resto do conselho de administração são pessoas que continuaram e não se juntaram ao resto dos elementos que se demitiram.

Anónimo disse...

"Espero que a Record nunca obtenha licença para emitir na TDT. Os nossos governantes que tenham juizinho!"

Se a Record emitir na TDT, eu ofereço-me para homem-bomba.

anolsi disse...

http://sicblogue.blogs.sapo.pt/1397282.html --> Imprensa garante uma coisa, canais outra. SIC e TVI já emitiram comunicado

Yagi isto tem fundamento?

Yagi disse...

Não sei se tem fundamento ou não. Sou um mero espectador forçado desta infeliz novela. Mas de acordo com o comentário mais recente do leitor Castro Sousa neste mesmo post, que parece estar bem informado sobre esta matéria, pelo menos a questão as duas licenças a atribuir à SIC e TVI parece confirmar-se.

Anónimo disse...

Caro Castro...
Eu até compreendo que os três grupos de televisão (RTP, SIC E TVI), perante a ameaça da entrada de novo grupo, ainda por cima estrangeiro, queiram fechar/ocupar mux o quanto antes. Passaríamos a ter 6 canais + o ARTV, é isso? O resto do teu texto só me leva a uma conclusão: quem é que vai ficar com a comissão? O políticos portugueses não políticos... são negociantes.

Anónimo disse...

E ainda há quem defenda esta escumalha manipuladora que é a imprensa. Liberdade de imprensa sim, mas não para isto.

André disse...

O que percebi é que a SIC e TVI queriam que o valor que pagam pela emissão dos seus canais na TDT, fosse passada para 2 canais de cada operadora.
Como a RTP ía ter de mudar de estrutura, eles terão proposto que a RTP2 fechasse e o a rtp pudesse passar um dos canais do cabo para a TDT.
Ficando cada um dos 3 operadores com 2 canais.
O problema terá começado, de acordo com um post acima, quando a sic avançou com a sic radical como sendo o canal que iria ocupar o seu 2 lugar. A tvi como só possuí 1 canal de cabo, só tinha o tvi24 (o ficção que já abriu ou vai abrir é exclusivo de um operador de cabo durante 18 meses).
Só não percebo o rtp informação em vez do rtp memória. (no entanto, nas notícias todas ninguém tem falado na memória... deve ser para fechar)

Nestes negócios já se sabe que os governantes metem sempre muito dinheiro ao bolso.
Com "concursos públicos" onde o vencedor é escolhido antes das normas do concurso serem criadas... poucos se interessam. O interessado paga sempre um extra por fora para garantir a sua vitória.
Já vimos acontecer com os submarinos, com os pandur, com a edp e irá acontecer com a tap, ana e rtp.

Yagi disse...

O Estado de Graça voltou a brincar com a situação da RTP http://www.youtube.com/watch?v=2DZKHElaKMk

Yagi disse...

O Orçamento de Estado 2013 prevê a manutenção da taxa audiovisual (2,25 Euros + 6% IVA). Apesar de pretender fechar um canal de televisão (RTP2) e um ou mais canais de rádio (A2 e A3), diminuindo drasticamente a oferta do serviço público de rádio e televisão, o Governo pretende obrigar os portugueses a continuar a pagar a taxa por inteiro!

Anónimo disse...

http://noticias.sapo.pt/nacional/artigo/cofina-e-grupo-angolano-avancam-_5379.html

O castro sousa bem avisou...
O CDS só está contra porque o governo só quer privatizar 49%. Se fosse a totalidade, é aquilo que o castro sousa aqui disse já há meses atrás.

Andam tanto tempo a gastar milhões em estudos e pareceres... e vão entregar a televisão aos mesmos que já tinham tudo pronto para a tomar de assalto.
Ver é se não fazem como na Ana, em que abrem o concurso público, passam umas quantas e mudam as normas para que quase todas desistam e só fique aquela que já está escolhida, tal e qual como fizeram com a TAP.

Yagi disse...

Com a RTP creio que se vai concretizar aquilo que vaticinei em Agosto: várias propostas, nada de concreto e, em cima da hora, decidem como bem entenderem para não darem tempo de reacção. O pior é que está-se a criar um clima de suspeita entre os funcionários da RTP, criando divisão. Na minha opinião está mais que justificada uma GREVE GERAL na RTP!

Yagi disse...

Já repararam nos spots informativos que passam na RDP e na RTP a alertar para a mudança de posição da RTP Memória na grelha do MEO? Os "senhores" que estão à frente da televisão dita "pública" nunca se dignaram emitir um spot a informar sobre a entrada em funcionamento dos emissores TDT. NUNCA! ZERO! Esta RTP é a manifestação da hipocrisia elevada à máxima incompetência!

André disse...

Já vi esse spot centenas de vezes.
Acredito que seja um dos serviços que a Meo recebe em troca de ter lá a RTP memória.
Passam esses spots para fazer publicidade à Meo... ao mesmo tempo que vão anunciando que se pagarem ao operador de cabo, passam a ver a RTP memória.

É uma vergonha ver a estação pública (por enquanto) a dar rendimentos de vários milhões a empresas privadas de televisão em troca de receberem meia dúzia de centena de euros por terem lá a programação.

E a "super interessante ARTV"? foi publicada em diário da república, anunciada a emissão... agora perdeu-se à espera da decisão do que fazer com a RTP. Afinal o canal "super interessante" tornou-se o que sempre disseram: Um canal de propaganda ao governo.

Anónimo disse...

Leiam isto
http://expresso.sapo.pt/concessao-da-rtp-inovacao-ou-contradicao=f781312

Anónimo disse...

Acabaram de avançar que o governo desistiu de vender a RTP.
Depois de tanta polémica e possíveis problemas com o comprador já selecionado, o governo resolveu-se a adiar sine dia a venda "até que o mercado publicitário recupere e se torne rentável explorar os canais dentro de Portugal".

Yagi disse...

Continuam com a intenção de privatizar um canal quando todos os que entendem alguma coisa de televisão e têm consciência social (e coragem) dizem que os dois canais são necessários para cumprir o serviço público. O estado do mercado publicitário é apenas uma desculpa para salvar a cara de quem está à frente desta trapalhada.

Anónimo disse...

Mais interessante é que eles, parecem, estar a seguir as linhas que tinham sido decididas no ínicio de 2007 para a redução de despesas da RTP.
Portanto os vários milhões pagos em estudos, relatórios ou entrevistas, acabaram por ir para o caixote do lixo (melhor dizendo, para os bolsos de quem fez esses estudos).

PS- Na alemanha o grupo RTL anunciou ontem que iria retirar as suas emissões da TDT alemã, a partir de 31 de Dezembro de 2014, até passarem a emitir em dvb-t2 devido ao aumento do valor cobrado pela TDT actual.

Yagi disse...

A reestruturação da RTP vai avançar e isso é positivo, se for bem conduzida claro. Sempre afirmei que a privatização não era solução mas sim uma gestão correcta.

O grupo RTL anunciou que não vai continuar a emitir na TDT alemã porque os seus canais têm uma audiência baixa e os custos são relativamente altos. E porque (segundo a RTL) o Estado alemão ainda não deu garantias de continuação do DVB-T para além de 2020. Tenciona terminar as emissões em Maio de 2013 em Munique e em Dezembro de 2014 no resto do pais.

Espero que esta notícia não seja aproveitada por determinados "especialistas" e "responsáveis" para impedir qualquer desenvolvimento da TDT em Portugal. Se saírem os canais da RTL provavelmente entram outros. A TDT é popular na Alemanha e mais robusta que por exemplo a portuguesa, permitindo a recepção mobile, o que em Portugal só é parcialmente possível e nas grandes cidades.